Papo reto com a concierge

o que nao está permitido

Jeovanna Vieira

13 de maio de 2022

Isso não é um puxão de orelha, tampouco estou generalizando o perfil de visitantes brasileiros, pelo contrário. Então se está com data marcada para viajar ou está planejando vir pra Madrid, pega um café e vamos falar sobre regras.

Hoje é sobre trânsito e traslado em Madrid

Quando o viajante recorre aos serviços de turismo, a intenção de contratar um profissional é melhorar a experiência, aproveitar o máximo da cidade com segurança e conforto; e se faz, precisa confiar, porque o bom profissional da área conhece as regras e os códigos de boa convivência da região (lembre-se de garantir que está contratando um profissional, ok?). Então, antes de mais nada, antes que seu café esfrie: confie no serviço que você contratou e compartilhe informações importantes para o seu agente.


Vou dar um exemplo: dois irmãos vieram para Madrid com as esposas e os filhos. Vou chama-los de Paulo e Pedro. Cada casal tinha dois filhos, sendo um grupo de oito pessoas no total. Sugeri então que os irmãos contratassem dois carros executivos, uma mini van para seis pessoas e um carro sedan, que seguiriam em comboio no traslado aeroporto x hotel e seguiria a disposição nos dias de permanência na cidade.

Te chamo pra essa conversa com o objetivo de detonar com estereótipos e retificar a boa fama que o brasileiro tem aqui na Espanha. Às vezes a gente não conhece as regras previamente e por não conhecer acaba descumprindo e causando situações completamente evitáveis, que podem estressar ou causar prejuízo para o próprio turista, e convenhamos, ninguém sai de casa pra isso!

O responsável pelo contato, o Paulo, sugeriu que ao invés de dois carros, alugassem apenas uma mini van, dizendo que não havia necessidade do carro extra, que levariam as crianças no colo. Informei que não era possível, que o transporte de passageiros é regulamentado e está submetido às regras de trânsito da cidade, que a fiscalização é imbatível e que crianças precisam de cadeiras de transportes para fazer o trajeto.

Percebi que Paulo se irritou e pode ter passado na cabeça dele que era má vontade minha, ou que eu estava interessada em fazê-lo contratar um serviço que ele sabia que não ia ser necessário. Paulo foi buscar uma outra opção, para conseguir dar o jeitinho de carregar oito pessoas em um carro, que comporta apenas seis passageiros.

Passados dois dias, o outro irmão entrou na jogada. Pedro me ligou e disse que queria retomar a negociação, disse a eles sobre o limite de bagagem e fechamos os dois carros que o grupo iria precisar.

No dia de recebê-los no aeroporto, os carros estavam a postos para cumprir o trajeto e ficar a disposição da família, no desembarque a surpresa: eram oito pessoas e dezoito malas. Me explica como faz pra caber tanta malas em dois porta-malas? Não dá, não é?

O resumo da história não é muito agradável, eles perderam muito tempo (cansados, estressados, com criança pequena) e dinheiro também, porque de última hora não conseguimos contratar um carro do meu contato habitual que daria para levar a bagagem excedente e contrataram um carro ali mesmo, no aeroporto. Tudo poderia ter sido evitado.

Tem uma outra história que aconteceu recentemente. Depois da vacinação para o vírus da Covid-19, medidas foram adotadas pelas autoridades em Madrid para continuar recebendo turistas mas com segurança, seguindo as orientações da OMS, afinal a pandemia ainda não acabou. Uma das determinações é: obrigatoriedade do uso de máscaras dentro dos carros públicos ( isso inclui a categoria que oferece o serviço de traslado).

Peguei um casal para leva-los para Toledo e no meio da viagem eles tiraram a máscara para comer no carro. O motorista, com muita cordialidade, pediu para que eles recolocassem suas máscaras para seguir viagem, e o casal achou que o pedido do motorista fosse uma exigência descabida. Um impasse, né? Para que nenhum mal entendido aconteceça em relação aos protocolos, se informe antes da regra do lugar e uma vez ciente das regras, tem que cumprir. Aqui em Madrid as multas são altas, podendo culminar em perda do registro para a prestação do serviço.

E tem a história que acontece todo dia, com essa concierge que vos fala. A história de todo viajante que pede ao motorista para dar uma paradinha de dois minutinhos na Grand Via. Alguns lugares em Madrid, especialmente nos lugares de atrações turísticas, os carros não podem parar, é determinantemente proibido. Não adiante pedir ao motorista, e nem pedir a mim. A fiscalização é coisa tão séria que as multas vêm até do céu, os helicópteros estão equipados para fazer leitura de placas e multar eletronicamente os motoristas que não respeitarem a sinalização de “proibido parar”.

Além dessas dicas aí de cima, certifique-se se acomodação onde você vai ficar está em alguma rua que tem interdições de trânsito planejadas, porque se chegar no dia e na hora que alguma via esteja bloqueada para carros, é bom que a sua roda seja de rodinha, porque você vai precisar caminhar.

Por isso, vamos conversar sobre sua viagem? Me conta aqui, quantas pessoas são, quanto de babagem vocês têm, tem crianças ou algum viajante com necessidades de suporte especial? Qual é o endereço da sua acomodação?

Andréa,

Também pode estar interessado em…

0 comentários